Mulheres fatais, ou nem tanto...

quarta-feira, 24 de março de 2010

As mulheres sempre foram inspiração para todas as formas de arte, nas artes plásticas, a enigmática Monalisa ou as gordinhas de Botero,  na música, inspirando letras e melodias harmoniosas, ou na literatura, na forma de um romance que pode conter os mais diferentes tipos de mulheres, sem contar a forma de poesia.

O site Obvious (que ando lendo bastante ultimamente) publicou, há um tempo atrás, uma matéria sobre o estudo de uma professora de uma Universidade francesa chamada Mirelle Dottin-Orsini, "A mulher a que eles chamam fatal", o qual, infelizmente, não encontrei à disposição na net. Neste artigo, Mirelle faz um estudo sobre a representação da mulher nas artes do cenário europeu e constata que a partir do século XIX, a mulher deixa de ser representada como musa, com personalidade angelical, e passa a assumir posturas provocantes, até demoníacas, sendo portadoras do mal e da desgraça. Isto também acontece na literatura brasileira, com poetas que a autora do artigo, Priscilla Santos, cita para ilustrar o cenário nacional: Augusto dos Anjos, Álvares de Azevedo, Olavo Bilac e até Castro Alves.

Particularmente, gosto de ver as mulheres na poesia brasileira como sinônimos de beleza e perfeição de formas, e, pelo menos nos poemas que conheço, as mulheres aparecem, ainda, como seres que representam a vida, a criação. Separei alguns trechos dos meus poemas preferidos sobre mulheres, que também são fatais, mas talvez não sejam tão demoníacas assim! 

"A mulher que passa" - Vinicius de Moraes

"Meu Deus, eu quero a mulher que passa
seu dorso frio é um campo de lírios
tem sete cores nos seus cabelos
sete esperanças na boca fresca!
Oh! Como és linda, mulher que passas
que me sacias e suplicias
dentro das noites, dentro dos dias! (...)"

A mulher como ser perfeito, representação de beleza e sensualidade, e reparem no aparecimento do número 7, o número da perfeição!

"Teresa" - Manuel Bandeira

A primeira vez que vi Teresa
achei que ela tinha pernas estúpidas
achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse).

Da terceira vez não vi mais nada.
Os céus se misturaram com a terra
e o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

Apesar de ser feia, Teresa conquista o eu-lírico e o poema termina com uma referência ao divino e ao momento da criação. 

"Jandira" - Murilo Mendes

"O mundo começava no seio de Jandira" (...)

"Os namorados passavam, cheiravam o seio de Jandira,
e eram precipitados nas delícias do inferno.
Eles jogavam por causa de Jandira,
deixavam noivas, esposas, mães, irmãs,
por causa de Jandira.
E Jandira não tinha pedido coisa alguma.
E vieram retratos no jornal
e apareceram cadáveres boiando por causa de Jandira.
Certos namorados viviam e morriam 
por causa de um detalhe de Jandira.
Um deles suicidou-se por causa da boca de Jandira.
Outro, por causa de uma pinta na face esquerda de Jandira."

Eu amo esse poema!
Além de lindo, ele é divertido. Jandira é o sinônimo da mulher-mãe, da mulher-beleza, da mulher fatal. Ela é angelical e demoníaca ao mesmo tempo. Ela dá vida e traz morte, um perfeito jogo de paradoxos.

E se o leitor tem algum poema preferido, pode deixar um trechinho aqui para compartilharmos! 

3 comentários:

Juliana Mendes disse...

COM CERTEZA, TEM CADA COISA BIZARRAAAAAAAA...

MAS TIPO, MONALISA NEM É UMA OBRA FINALIZADA...
COM CERTEZA ESSE MUNDO NÃO EXISTIRIA SE N FOSSEM AS MULHERES..
SE O SETOR REPRODUTIVO ESTIVESSE TBM NO MASCULINO E TODOS PENSASSEM COMO HOMENS
:s

BLÉÉÉ...

Fernanda disse...

concordo com vc,prefiro vê as mulheres no texto de forma mais delicada...assim como os artistas romanticos escreviam...

Jéssica V. Amâncio disse...

Adorei o post! Muito bem escrito! E esse da "Jandira" eu não conhecia, muito bom.

Já ouviu o mito de Pandora? Os Deuses mandaram-na como castigo aos homens, e ela dotada (pelos prórprios Deuses) de atributos ruins, como a curiosidade, abriu sua caixa cheia de virtudes antes de entregá-la aos homens (era o que ela tinha que fazer). Após isso sobrou só a esperança dentro da caixa.
Esse mito mostra perfeitamente como a mulher era vista como "demoníaca". Sorte que existiram e existirão vários "Vinícius" para imortalizar-nos como belas e como vida.
Haha, acho que escrevi demais=P

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS